O que você está procurando?

  • América-MG
  • Athletico-PR
  • Atlético-GO
  • Atlético-MG
  • Avaí
  • Botafogo
  • Ceará
  • Corinthians
  • Coritiba
  • Cuiabá
  • Flamengo
  • Fluminense
  • Fortaleza
  • Goiás
  • Internacional
  • Juventude
  • Palmeiras
  • Red Bull Bragantino
  • Santos
  • São Paulo
  • Bahia
  • Brusque
  • Chapecoense
  • CRB
  • Criciúma
  • Cruzeiro
  • CSA
  • Grêmio
  • Guarani
  • Ituano
  • Londrina
  • Náutico
  • Novorizontino
  • Operário Ferroviário
  • Ponte Preta
  • Sampaio Corrêa
  • Sport
  • Tombense
  • Vasco
  • Vila Nova

Futebol

Rainha: conheça a história de Marta, ícone do futebol brasileiro e mundial

Jogadora de futebol Marta, em frente a fundo vermelho, abraçando seus 6 troféus de melhor jogadora do mundo.

Marta é referência no futebol mundial não apenas entre as mulheres

Apesar de não ser uma monarquia, o futebol tem o que podemos chamar de uma verdadeira realeza. E Marta é, sem dúvidas, a rainha. Para completar a alegria dos brasileiros, inclusive, já que temos Pelé como o rei do futebol. 

Aos 36 anos, a atacante atualmente joga no Orlando Pride, dos Estados Unidos. Ao longo da carreira, foi eleita melhor jogadora do mundo por 6 vezes, sendo 5 vezes de maneira consecutiva, pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). 

A lista de motivos que destacam a jogadora brasileira não para por aí. Continue lendo este artigo do Jogo Hoje e saiba tudo sobre a vida e a carreira da jogadora Marta. 

Marta antes do futebol 

Marta Vieira da Silva nasceu no dia 19 de fevereiro de 1986, em Dois Riachos, um município do Estado de Alagoas, localizado no nordeste do Brasil. 

Seu nome, curiosamente, significa “dona de casa”, posição praticamente imposta à maioria das mulheres brasileiras. No entanto, a Rainha Marta conquistou o topo de um lugar que por muito tempo foi negado às mulheres: o futebol. 

Deputados aprovam concessão da comenda Tavares Bastos à jogadora Marta - Correio dos Municípios - Alagoas

Infância humilde

No interior de Alagoas, Marta teve uma infância humilde. Assim como em grande número de famílias brasileiras, ela, sua mãe e 3 irmãos mais velhos foram abandonados pelo pai quando ela tinha apenas 1 ano de idade. 

Dessa forma, a atleta precisou começar a trabalhar cedo para ajudar no sustento da casa. Assim, quando não estava nos campinhos jogando bola, trabalhava empurrando um carrinho de mão com produtos de uma feira local. 

Além disso, também vendia roupas, sacolés e aceitava outros serviços na mesma feira. Lavava pratos nas casas de famílias de amigos. Aos poucos, porém, o futebol foi ganhando mais espaço na vida da menina esforçada e talentosa. 

O futebol se torna protagonista na vida de Marta 

Ainda nos primeiros anos de vida, Marta se interessou por futebol e jogava entre os garotos. Inclusive, era a única menina do grupo. Vale ressaltar que, à época, o preconceito contra mulheres no futebol era ainda maior. Apesar disso, a jogadora passou por cima de críticas e discriminação dando show em campo. 

Habituada a jogar entre meninos, ela também disputou competições assim. Como foi o caso da Copa Infantil de Futsal, da Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB), em Santana do Ipanema (AL). 

Essa era uma das principais competições da região e o técnico, Luiz Euclides, conhecido como Tota, aceitava que Marta jogasse com os garotos. 

A garota já mostrava qualidade, afinal, era hábil, tinha força e por muitas vezes se destacava. No entanto, isso complicava um pouco a situação, já que os meninos ameaçavam machucá-la. Por isso, Tota optou por afastá-la dos jogos e, como consequência, a competição passou a se chamar “Copa AABB de Futsal Masculina”, vetando a participação feminina. 

Mesmo sem poder disputar esse campeonato especificamente, Marta não deixou de jogar. O próprio técnico conseguiu testes para a garota no Rio de Janeiro: um no Vasco e outro no Fluminense. Então, Marta juntou o dinheiro que conseguiu e, sozinha, aos 14, embarcou em um ônibus rumo ao Rio de Janeiro. 

Feminino: Imprensa internacional procura o Vasco para saber mais sobre o início de Marta no futebol | NETVASCO

Rio de Janeiro

Marta foi aprovada em seu 1º treino no Vasco, se destacando entre as demais meninas logo nos primeiros minutos. Com isso, o resultado foi uma permanência de 3 anos no Cruzmaltino, até ser emprestada para o Santa Cruz de Minas Gerais. No entanto, ela ficou pouco tempo no clube mineiro e foi negociada pelo carioca com um clube europeu. 

Marta se tornando protagonista no futebol 

A porta de entrada de Marta no futebol europeu foi o Umeå IK, da Suécia, onde chegou em 2004. Lá, ela permaneceu por 5 temporadas, até 2009. Então, sua carreira decolou e, em 2006, ela conquistou seu 1º prêmio de melhor jogadora de futebol do mundo. 

O feito se repetiu em 2007, 2008, 2009 e 2010. Marta já era a rainha do futebol. Mas ainda tinha muita bola para jogar. 

Umea diz não ter US$ 1 milhão para investir em Marta e desiste da craque | globoesporte.com

Estados Unidos 

Passadas 5 temporadas na Suécia, já consolidada como Rainha do futebol, Marta desembarcou no futebol dos Estados Unidos.  Seu 1º clube por lá foi o Los Angeles Sol. Ela ficou por lá até 2010, foi artilheira da Liga Nacional e conquistou o vice-campeonato com a equipe. 

Rainha no Santos 

A atleta chegou a ser emprestada ao Santos pelo Los Angeles Sol, durante 3 meses. Com o Peixe, Marta foi campeã da Copa Libertadores e da Copa do Brasil Feminina de 2009. 

Santos parabeniza Rainha Marta por seu aniversário: 'Maior jogadora da história'

De volta aos EUA

Disponível para o draft ao retornar para o Los Angeles Sol, Marta acabou sendo escolhida pelo FC Gold Pride. Assim, em 2010, foi artilheira da Liga Nacional pela 2ª vez e campeã com o seu time. Na temporada seguinte, em 2011, reforçou o Western New York Flash, levando o time ao título outra vez. 

Em 2012, a Rainha retornou para a Suécia, mas desta vez vestiu a camisa do Tyreso FF, onde ficou por 2 anos. Então, entre 2013 e 2014, foi campeã nacional e vice-campeã europeia. 

Ainda na Suécia, o Tyreso faliu. Com isso, em 2014, a jogadora se transferiu para o FC Rosengård, com um contrato de 6 meses que podia ser prorrogado. 

Assim, a prorrogação acabou acontecendo e por lá ela foi bicampeã da Liga da Suécia, em 2014 e 2015. Desde 2017 Marta atua pelo Orlando Pride, novamente nos Estados Unidos. No entanto, a equipe ainda não conquistou títulos. 

Marta faz seu primeiro gol pelo Orlando Pride nos EUA - Esporte - Extra Online

Seleção Brasileira 

Marta e a Seleção Brasileira Feminina são praticamente sinônimos. Figura marcante na ascensão do futebol feminino, por muitos anos era impossível falar de seleção feminina do Brasil sem pensar em Marta. 

E vestindo verde e amarelo, a Rainha fez bonito. Foi campeã dos Jogos Pan-Americanos de 2003 e 2007, além de vice-campeã nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008. 

No ano de 2007, Marta fez parte de um feito inédito. Chegou com o Brasil pela 1ª vez na final de uma Copa do Mundo. A equipe não ficou com o título, perdendo para a Alemanha, mas Marta foi a artilheira do Mundial com 7 gols. 

Ainda dentro do assunto Seleção Brasileira, Marta é dona de recordes. Ela é a maior artilheira de Copas do Mundo, com 17 gols marcados. 

Marta é ainda a primeira atleta a marcar gols em 5 edições diferentes da Copa do Mundo. Sua estreia em mundiais foi em 2003, aos 17, quando marcou 3 gols. 

Depois disso, disputou as edições de 2007, com 7 gols, 2011, com 4 gols, 2015, com 1 gol e 2019, com 2 gols. 

No ano de 2015, Marta superou Pelé e tornou-se a maior artilheira da Seleção Brasilera. Ela tem 117 gols marcados com a camisa do Brasil. 

Marta: biografia, títulos, times e curiosidades da jogadora

Títulos 

  • Vasco da Gama

Campeonato Brasileiro Sub-19: 2001

  • Umeå IK

Liga dos Campeões da UEFA: 2003-04

Campeonato Sueco: 2005, 2006, 2007 e 2008

Copa da Suécia: 2007

Super Copa da Suécia: 2003-2004

  • Santos

Copa Libertadores da América: 2009

Copa do Brasil: 2009

  • Gold Pride

Liga de futebol feminino dos Estados Unidos: 2010

  • Western New York Flash

Liga de futebol feminino dos Estados Unidos: 2011

  • Tyresö FF

Damallsvenskan: 2012

Super Copa da Suécia: 2012

  • FC Rosengård

Damallsvenskan: 2014, 2015

Super Copa da Suécia: 2014, 2015, 2016

Copa da Suécia: 2016

  • Seleção Brasileira

Jogos Pan-americanos: medalha de ouro (Santo Domingo 2003 e Rio 2007)

Copa América Feminina: 2003, 2010, 2018

Torneio Internacional Cidade de São Paulo: 2009 , 2011 e 2012

Prêmios individuais 

  • Melhor jogadora do mundo pela FIFA: 2006, 2007, 2008, 2009, 2018
  • Bola de Ouro da FIFA: 2010
  • Copa do Mundo de Futebol Feminino Sub-20 Bola de Ouro: 2004
  • Copa do Mundo de Futebol Feminino Bola de Ouro: 2007
  • Copa do Mundo de Futebol Feminino Chuteira de Ouro: 2007
Clique aqui para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Futebol Internacional

Curtis “Toyz”, campeão do Worlds com a Taipei Assassins em 2012, foi preso acusado de tráfico de drogas no Taiwan

Série B

Um dos maiores campeonatos de eSports do mundo, no Warzone é palco de diversos casos de hackers, sendo um deles até o campeão

Futebol Internacional

A desenvolvedora do jogo Riot Games anunciou novas medidas de penalidades para jogadores AFK nas partidas de LoL

Futebol Internacional

Cotada como underdog, a EDG venceu a favorita DWG por 3-2 e faturou seu primeiro título mundial na final mais assistida da história