Outros esportes

Nas finais do surfe no Pan, Tati Weston Webb garante ouro e Brasil fecha com cinco medalhas

Brasileiros só venceras três das nove baterias que fizeram no dia No dia das grandes decisões do surfe nos Jogos Pan-Americanos, […]

Surfista Tatiana Weston Webb em prova do Pan-Americano Santiago 2023

William Lucas/COB

Brasileiros só venceras três das nove baterias que fizeram no dia

No dia das grandes decisões do surfe nos Jogos Pan-Americanos, o Brasil subiu ao pódio cinco vezes, com quatro pratas e um bronze. O único ouro foi de Tati Weston Webb, estrela do surfe brasileiro na elite mundial. Com as pratas, ficaram surfistas do stand-up paddle, Luiz Diniz e Aline Adisaka, e Chloé Calmon, do longboard, que também rendeu o bronze de Carlos Bahia.

Surfista Tatiana Weston Webb em onda no Pan-Americano Santiago 2023
Destaque do Brasil na elite do surfe mundial, Tati Weston Webb é campeã pan-americana – Divulgação/COB

As decisões do surfe

Tatiana Weston Webb chegou para esta segunda-feira (30) com final garantida no shortboard, a pranchinha, que é a principal disputa do surfe. A brasileira enfrentou a canadense Sanoa Dempfle-Olin. A bateria foi equilibrada até o fim, sem muitas ondas que permitissem notas altas. Mas a última tentativa de Tati foi o diferencial, fazendo um 7.33 sem tempo suficiente para a canadense responder. Ouro por 12.33 x 10.13.

Longboard

Chloé Calmon enfrentou duas provas com o mar muito ruim. Na bateria do bronze, ela a brasileira abriu uma onda 5.33 logo na 1ª tentativa e aquilo já seria o suficiente para vencer a costarriquenha Lia Reyes Dias. Mas ela ainda voltou a pontuar e venceu o confronto por 7.50 x 1.17, garantindo a vaga na final.

Na disputa pelo ouro, ela reencontrou a peruana Maria Fernanda Reyes, que a tinha eliminado na semifinal. Eram poucas ondas boas, mas a brasileira encaixou três notas baixas antes do primeiro ponto peruano e contou com uma interferência da adversária, que deixou Reyes precisando trabalhar por uma onda só. E ela veio já nos instantes finais da bateria, com ouro para o Peru por 7.50 x 6.64, prata para o Brasil.

Na bateria do bronze, contra o chileno Rafael Cortéz, Carlos Bahia saiu muito atrás após duas ondas boas do adversário. O baiano ficou pressionado por uma combinação de notas para virar o confronto, mas acabou interferindo na prioridade do chileno e teve uma nota descartada. Assim, ele perdeu a bateria por 14.26 x 3.10 e levou o bronze no longboard masculino.

Surfista Carlos Bahia em prova dos Jogos Pan-Americanos Santiago 2023
Carlos Bahia não conseguiu boas ondas na sua bateria e ficou com o bronze no surfe longboard – Reprodução/CazéTV

Stand-up Paddle

A bateria do bronze do SUP começou com muitos minutos de só uma onda válida, mas o confronto entre Luiz Diniz e Finn Spencer terminou em sete minutos de pura emoção. O brasileiro vinha à frente, após uma virada, mas o canadense encaixou uma onda 5.33 nos últimos segundos e voltou à ponta. Só que Diniz foi para 7.17 também no soar da buzina e fechou a bateria em 15.17 x 9.66, garantindo a vaga na final.

Na decisão, ele foi atrás de uma revanche contra o estadunidense Zane Schweitzer, que o tinha vencido na semifinal. A bateria também foi mercada por viradas. Diniz saiu na frente com uma onda 4.73, mas Zeiner virou com a soma de duas notas menores. O brasileiro voltou à frente com uma onda 5.50, mas ele não foi além disso, enquanto o estadunidense duas grandes ondas e fechou com 16.00 x 10.23. Prata para Luiz Diniz.

E também foi na prata que parou Aline Adisaka. Classificada direto para a final, ela enfrentou a colombiana Isabella Brady. Em um mar muito ruim, a brasileira conseguiu duas ondas de pontuação baixa, mas que já seriam suficientes para vencer a bateria. Mas isso mudou já nos segundos finais, quando a adversária, que só tinha uma nota, conseguiu uma onda de 5.33 e levou o ouro em um 7.93 x 7.04, deixando a brasileira com a prata.

Surfista Aline Adisaka em prova do Pan-Americano Santiago 2023
Aline Adisaka perdeu o ouro com virada nos últimos segundos – William Lucas/COB

Stand-up Paddle Race

Fechando as disputas do surfe em Punta de Lobos, o Brasil teve um representante em cada gênero do SUP Race, que é uma corrida com 10 surfistas usando pranchas maiores e um remo. Na bateria masculina, o ouro foi dos Estados Unidos, com Connor Baxter, que chegou em 12:49.9. Itzel Delgado (PER) e Santino Basaldella (ARG) completaram o pódio.

O único brasileiro na disputa foi David Leão, que terminou a prova em 4º lugar, com 15:19.2. No feminino, a vitória também foi estadunidense, com Candice Appleby, que chegou em 15:24.9, seguida por Jennifer Kalmbach (CRC) e Mariecarmem Rivera (POR). Campeã pan-americana em 2019, Lena Ribeiro não fez uma boa prova e terminou em 6º lugar, com 18:43.5.

Surfista Chloé Calmon com prancha de surfe longboard
Ouro em 2019, Chloé Calmon ficou com a prata no surfe em Santiago – Jonne Roriz/COB

Mais notícias e informações quentinhas sobre o Pan-Americano e outros esportes você vê no Jogo Hoje

COMPARTILHE

Bombando em Outros esportes

1

Outros esportes

F1: na Ferrari a partir de 2025, Lewis Hamilton quer repetir trabalho de diversidade feito na Mercedes

2

Outros esportes

Tênis: João Fonseca vence chileno, avança às quartas e faz história no Rio Open

3

Outros esportes

F1: equipes iniciam pré-temporada com testes no Bahrein

4

Outros esportes

NBA: LeBron James revela que aposentadoria “está chegando”

5

Outros esportes

F1 e FIA se posicionam sobre caso Horner, chefe da RBR investigado por ‘conduta imprópria’